quarta-feira, 8 de julho de 2009

Estamos ficando velhos

18 anos, "ta na flor da idade"...é pessoal, somos todos jovens. Mas hoje percebi que estamos ficando velhos, isso sim.

Fato: meu pai queria ia à loja da vivo, no shopping, para ver aquela questão de pontos em celular pós-pago, para ver se compensa trocar, e blablabla. Fui com ele, e como tudo que tem relação com o nome VIVO demora, ele esperou para que fosse atendido e eu saí para dar uma volta [fui comprar um sundae do Mac, fazia anos que nao tomava um...]

Foi então que comecei a perceber aquelas turminhas de adolescentes andando pelo shopping. Muitas turminhas, multiplicavam-se como gremlins [aqueles que jogava água em um e virava dez...exemplo velho esse...], não deviam ter mais que 14 anos, aquela idade que ir ao shopping e ficar andando como pererinos pelos mesmos corredores é um máximo. Quem nunca viu isso, experimente ir ao Bauru shopping num sábado à tarde.

Ok, a gente olha pra eles e pensa "nossa, será que eu era chato desse jeito quando tinha essa idade?". Mas lembrei que há alguns anos atrás, era eu quem estava lá, no mesmo shopping [o único de Bauru, diga-se de passagem...], e que na época era menor do que é hoje [sim, pode acreditar], andando que nem um retirante com meus amigos, e aquilo era um máximo.

Por isso que eu pensei: como eu estou ficando velho! Daí eu lembrei de várias coisas que se você mostrar para uma criança hoje, elas não vão saber o que é [ou pelo menos vão saber o que é, mas vão falar que é uma coisa muuuuito velha, o que pode ser pior...]:

1- Filme Kodak
Cena: seu aniversário de 8 anos. Para deixar esse momento registrado com muuuitas fotos, seu pai ia ao mercado e comprava um filme de 36 poses. TRINTA E SEIS. Olha que tecnologia! Ah, aí depois você levava até a loja para revelar e pegava suas fotos no dia seguinte [no caso de Bauru, o point era revelar as fotos no wall mart, porque ficava pronto no mesmo dia. E vinha com aqueles baloezinhos autocolantes com frases engraçadas que você punha naquela foto incrível da sua avó].

2- Câmera Nikon
Mesma cena que o filme kodak, com uma observação: será que as crianças sabem que, algum dia, a gente tinha que olhar no buraquinho da câmera? E quando tirava foto com a câmera de outra pessoa, a cena era clássica: "ihh, não tá saindo"..."ahh, puxa a alavanquinha pra girar o filme"...

3- Fita Basf
Taí uma coisa que o DVD não melhorou: você não grava mais as coisas da tv. Lembra daquele programa, ou do último capítulo da novela, que você queria tanto assistir, mas teve algum compromisso. Era tão simples: só programar o vídeo para gravar e pronto, depois a gente assistia. Ahh, pra gravar por cima, era só não quebrar aquele quadradinho na parte da frente. E se alguém fizesse isso, fita crepe solucionava.

4- Disquete
Ok, não é tão velho, vai. Mas basta você olhar para o seu pen drive de nãoseiquantos gigas, e lembrar que o disquete armazenava até uns 2 megas. Ahh, e tinha que formatar [na verdade não tinha, mas quem gostava de fazer tudo certinho formatava].

5- Patricinhas de Beverly Hills [ideia da Tãina mandada pelo msn...]
Que história é essa de Hannah Montana, ou “HighsCú Musical”. O negócio era Alicia Silverstone e suas amigas em plenos anos 1990. Isso no filme, no seriado quem fazia a Cher era a Rachel Blanchard [não, não era a mesma atriz]. Mas serve pra gente lembrar de outras séries: Blossom, Barrados no Baile, Dawsons Creek, Arquivo X, etc...

6- Lápis Borracha
“Mãe, posso ter um corretivo [branquinho ou errorex...]?”
“Não filho, é melhor um lápis borracha”
Daí a cada erro à caneta [bic] significava um buraco na folha do caderno. Mas dava na mesma, porque quando a gente ganhava o primeiro corretivo, passava tanto que a folha enrugava.

7- Celular Tijolo
Praticamente uma arma. Dava pra tacar no bandido, em caso de assalto. Hoje em dia, os celulares nem arranham. E tem tantas funções, que fazer ligação ficou supérfluo.

8- Hanson
“Mmmbop, badubidapa, dubap, dubidapa, dumbap, badubidapdap, duuuuu” e aquele clipe cheio de efeitos especiais feitos em computador IBM


9- Mundo de Beakman...
...e todos os programas infantis da Cultura. Vai dizer que o Beakman não fez você pensar que Física era uma coisa legal...daí você percebeu que não era bem assim.

10- Filmes da Xuxa e do Didi [outra ideia da Tãina...]
Perdão. Eu sei que você deve estar me xingando agora. Ok, eu sei que todos são uma merda. Mas como a Terd mesma já disse, “a gente não percebia que era tão ruim, e por isso, achava legal” [ou não...]


É isso aí pessoal. Nessas horas eu penso se meu filho, um dia, vai falar pra mim “Noooossa pai, você usava pen drive? E de 1 giga?? Pai, como você é velho!”
[Não perca, em breve, o Plantão Bauru de férias. Pra quem está com saudades [ou não] dessa ilustre cidade, e quer saber o que acontece [ou não] por aqui]

3 comentários:

  1. e o que falar dos manos no shopping!? E os brinquedos super legais que agente via no começo da hihappy!?

    aaahh que tempos modernos!

    Adoreiii Pingüim (com trema!)

    Tãina Goular

    ResponderExcluir
  2. Bom, ontem passeei no shopping de Campinascity e não é que eu tive um devaneio parecido?
    Aqui estamos passando por uma proliferação(tipo praga do Egito) de crianças mano. Terrível!

    ResponderExcluir
  3. bateu uma nostalgia agora...ahusuhahuas
    ainda tenho umas trezentas fitas vhs aqui...com vídeos tediosos estrelando eu, bebê, babando...
    xii amanda, aqui tá a mesma coisa...o pior é que essas crianças se acham a última bolacha do pacote...(gírias idosas). E nem tem pra onde fugir no shopping daqui...tem um andar só, é deprimente...huahushuasuhas

    ResponderExcluir

Sem palavrões aqui, PORRA!