quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Tia Terd interpreta "Imortal"

É bem assim que estou.
É tudo que restou.


É isso, meninos e meninas, preparem-se! Lá vem mais uma música melosa de fossa profunda. Ela mal pôde se conter, quase escreveu um pagode, mas não, essa menina queria seguir a vertente romântica. Tenho certeza de que se ela fosse escrever uma música sobre como ela foi corna, seria sertanejo. Tá no sangue.


Eu tive que escolher entre eu e te perder.
Que pena, tudo acabou.



Percebe-se que, se é que isso seria possível, Sandy não optou por ela mesma no sentido intelectual da coisa. Acho que ficaria melhor se ela tivesse tentado adaptar um "Entre mim e você" que inventar esse "Entre eu te perder", mas enfim... todos sabemos que ela só resolveu ser pedaboba depois de velha. Vamos nos ater ao romance desatado da menina. Pobrezinha, escolheu perder o bofe. Certeza que ele que quis terminar com ela porque ela não queria dar.


Eu cresci, agora sou mulher.
Tenho que encarar com muita fé.
Seria o bastante...



Ahá! Isso confirma a minha teoria! Ela cresceu, agora é mulher, então já pode dar. É isso aí, Sandy! Dá mesmo! Esse negócio de ser virgem tá totalmente out... pensa na Britney, na Cicarelli ou na Paris Hilton e encara com fé! Mas espera, seria o bastante?


Eu vou seguir o meu caminho e te esquecer.
Pensar um pouco em mim, tentar viver.
Seria o bastante...



Xiiii... será que o bofe era broxa? Pior! Sandy deve ter mostrado pra ele que podia dar, mas viu que o poderio do militar do menino era modesto, não era assim uma ogiva nuclear, nem uma bazooka... só um estalinho de festa junina. Mas Sandy gostava dele, então ela tentou. Mas, ó, que malfadado destino cometeu o despautério de desanimar o já simplório estalinho do bofe. Caiu tudo. Ele ficou ali, sendo molemente observado. Pobre Sandy. E ela ainda achava que o tamanho não importava, que seria o bastante. Pobre, pobre Sandy!


O que é imortal não morre no final
E se distante é assim...



Vou até perdoar a redundância. Ela estava arrasada. Um amor tão lindo, tão juvenil, tentando evoluir para o patamar dos iniciados.. Muito triste um amor tão Sandy way of love terminar no final mesmo sendo imortal. Que poetiza, que heroína! Tente novamente, Sandy! Abre essas pernas, baby!


Isso não vai ter fim.
Nem que eu quiser você sai de mim.
Eu já tentei mas te esquecer assim
Não dáááááááá...



Aêêêêêêê!!! Não sai mesmo não, pequeno bofe semi-paumolescente! Fica lá! Não deixa ela te esquecer, ela já disse que o tamanho era satisfatório. Não deixa ela dizer que não dá, vai fundo!


Quem escolheu fui eu e tenho que aceitar
Mas não foi erro meu, você no meu lugar
Faria exatamente igual



Que isso? Será que alguma mal amada repreendeu a Sandy? Qual é?! Deixa a menina dar, pô! Não sei se seu faria exatamente igual, ele foi cafa quando terminou só porque ela não quis dar, além de ter probleminhas funcionais... mas vai lá, Sandy! Bota esse equipamento pra funcionar, mulher!


O que é imortal não morre no final
E se distante é assim...
Isso é imortaaaaaaaaaaaaaaaaaal



Graaande Sandy! Gostei de ver! Deu distância e imortalizou a coisa. A justiça tarda mas não falha! Sandy, você deu! Ai, até me emociono... Ok, próximo passo: ensinar pro Júnior que ele tem um pipi.

Se você for louco e quiser ver o clip, tá aí. Eu me recuso a tentar incorporar isso aqui...

6 comentários:

  1. eu acho que ela não tem motivo pra choramingar...quando era pra abrir a porta mariquinha, ela não abria...agora aguenta...

    ResponderExcluir
  2. Pinguim, ela tinha oito anos quando queriam que ela abrisse a porta da Mariquinha...

    ¬¬

    ResponderExcluir
  3. então era uma apelação à pedofilia??

    o mundo está pior do que eu pensava...

    ResponderExcluir
  4. Não chega a ser pedofilia se você pensar que quem cantava a parte do Genaro era sempre o Júnior, que tinha os seus sete anos...



    "Então era uma apologia ao incesto??"

    Nâo, Pinguim... nós estamos falando do Júnior.. Dã! Ele não gosta de Mariquinha.. ou gosta né? Agora fiquei em dúvida.. www.instanterimshot.com

    ResponderExcluir

Sem palavrões aqui, PORRA!